Foto: Editora Pipoca

Post_Dia do livro na Espanha_EditoraPipoca

A contação não foi tão encenada e teatralizada como costuma acontecer no Brasil. E se questionamos o incentivo à leitura em si em eventos tão orais, o que vimos nos pareceu uma solução excelente: o telão reproduz o livro, o contador conta o livro, e as crianças interagem claramente com um livro, por mais que o livro não esteja em suas mãos.


O livro existe há muito tempo, de diversos jeitos, mudando de acordo com a evolução, reinventando-se. E ganhando diversos dias comemorativos: 2 de abril,  Dia Internacional do Livro Infantil, em comemoração à data de nascimento de Hans Christian Andersen; 18 de abril, Dia Nacional do Livro Infantil, no Brasil, em homenagem a Monteiro Lobato; e 23 de abril, Dia Internacional do Livro e do Direito de Autor, marcando a data da morte de Shakespeare e de Cervantes, dois dos maiores escritores de todos os tempos (conta a lenda que se tratava da mesma pessoa, já que morreram no mesmo dia, no mesmo ano… mas deixemos as lendas para os livros!).

Aproveitando que estou  na Espanha neste 400º aniversário da morte de Cervantes, vamos  ver como se celebra o Dia do Livro por aqui. Na véspera do Dia do Livro, em Madrid, ocorreu um evento chamado Noche de los Libros, que previa atividades variadas pela cidade e descontos de 10% em livrarias participantes.

E no dia 23 de abril, fui para Alcalá, cidade natal de Cervantes, para as comemorações do Dia do Livro.

Em Alcalá, cidade bem pequena, mas que tem uma das universidades mais antigas da Europa, e mantém, ao menos no centro, a arquitetura tradicional, escolhi acompanhar um evento de contação de histórias para crianças. E foi muito bacana!

Aqui, a contação não foi tão encenada e teatralizada como costuma acontecer no Brasil.* E se questionamos o incentivo à leitura em si em eventos tão orais, o que vimos nos pareceu uma solução excelente: o telão reproduz o livro, o contador conta o livro, e as crianças interagem claramente com um livro, por mais que o livro não esteja em suas mãos.

Post_Dia do livro na Espanha5_EditoraPipoca Post_Dia do livro na Espanha6_EditoraPipoca

Fotos: Editora Pipoca

Além de Dia do Livro, 23 de abril também é comemorado por ser dia de São Jorge; e, antigamente, a tradição local era que os namorados se presenteassem… com livros, para os homens, e flores, para as mulheres. Um pouquinho sexista, né? Agora, as mulheres ganham flores… e livros! Bem melhor!

A cidade recebe na praça central uma feira de livros, o museu da casa de Cervantes fica lotado, e a decoração da entrada não podia ser outra: livros. No restaurante, a decoração do teto traz livros e rosas (e tem livros ao lado das mesas de espera, que nesse dia é sempre grande, já que a cidade fica supercheia!).

Post_Dia do livro na Espanha2_EditoraPipoca

Foto: Editora Pipoca

E é em Alcalá, e na mesma data, que se entrega o Prêmio Miguel de Cervantes de literatura, concedido pelo Ministério de Cultura da Espanha – e o prêmio é entregue pelos reis! Então, junta um montão de gente para vê-los, o que para mim é engraçado, pois não compreendo muito bem a ideia de reinado, e as pessoas que conheci aqui tampoco vêm sentido em uma monarquia no século XXI. Mas a julgar pela quantidade de gente e pelo policiamento ostensivo nas ruas de Alcalá, para muita gente essa é uma grande parte da atração!

Além da atração real, ah, a Europa! Lugar onde os livros são tão acessíveis…

Serão mesmo?

Mesmo com os descontos, eu tive muita dificuldade em comprar livros novos, porque eram muito caros, como 18 ou 20 euros um romance… Pensando que o salário mínimo é de 655 euros, dá para entender como é caro, né? Os livros infantis, que têm um acabamento mais trabalhoso, são  25 ou 30 euros…

Mas, bem, por ora, ganhei três novos livros favoritos: Vacío e El monstruo de colores, ambos de Anna Llenas, e Adiós Manoplas, de Benjamin Chaud (o livro que está nas fotos acima, no evento de contação de histórias com o telão).

Post_Dia do livro na Espanha4_EditpraPipoca Post_Dia do livro na Espanha3_EditoraPipoca

Fotos: Editora Pipoca

 Muito interessante avaliar isso e ver que muitas pessoas que conheci têm o hábito de comprar livros em lojas de segunda mão (custam de 1 a 5 euros, mais ou menos). E pareceu-me interessante também a quantidade de gente lendo livros digitais no metrô. É muita gente, todo os dias, em uma proporção bastante equilibrada entre as que leem livros digitais e as que leem livros impressos. Claro que eu fico xeretando para ver quem está lendo e quem está jogando, e, sim, muita gente está jogando no celular, matando o tempo, mas há um bocado de gente lendo em celulares, tablets e e-readers… Ao gosto do freguês!

Talvez a cultura e o hábito leitor tenham feito que pessoas que sempre gastaram muito com livros passassem a ver o digital como uma ferramenta muito útil; refiro-me aos tais hard readers, aquelas pessoas que não ficam sem leitura, hábito cuja ausência no Brasil é indicada como um dos fatores responsáveis por não vermos o mercado decolar por aí. Mas isso é uma suposição. O que escuto aqui, de todos com quem falo, é que as pessoas leem cada vez menos, além de outras reclamações muito próximas às que temos no Brasil.

Daí que voltamos ao nosso ponto: o importante é existir a possibilidade de que as crianças leiam no formato digital. E, em nossa cabeça, seguimos questionando a resistência aos digitais infantis.

Por Suria

*****

* Escrevemos um pouco sobre a oralização dos livros no texto publicado no Jornal Rascunho: “O que percebemos é que é comum que, em vez dos eventos literários voltados para crianças aumentarem o acesso aos livros, eles mantenham a cultura oral em detrimento da letrada. E nos perguntamos: como incentivar a cultura letrada com eventos de cunho oral? Não basta que estes eventos aconteçam em bibliotecas; não basta que as crianças estejam em um local onde haja livros, é preciso que elas aprendam que ali, naquela produção literária, há uma possibilidade de prazer, sendo necessária apenas a concentração e a capacidade de leitura. E tanto um como outro são passíveis de aprendizado.”

ccbync3br

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

15